Lançamento do quadrinho “O último astronauta brasiliense”

150 mil reaisAutor: Frederico Flósculo
Data: 29/03/19
Horário: 18h30

Entrada Franca!

Um arquiteto e urbanista de Brasília, seriamente preocupado com o futuro da bela cidade, Patrimônio Cultural da Humanidade, encontra um jeito de viajar no tempo, no exato mês das eleições de 2018 (outubro).

Governos sucessivos armam a devastação da cidade, e o peculiar arquiteto precisa saber como Brasília estará no futuro – nem tão próximo, nem tão distante – e consegue projetar-se para o ano 2318, trezentos anos adiante.

Supondo e temendo que a cidade estará irrespirável, devastada, usa uma roupa de astronauta, por precaução. Encontra um ambiente terrível: na superfície, somente os monumentos “vivem”, e são violentos e ciosos do cuidado com o que ainda resta.

Torres digitais em tropas atropelantes, estátuas guerreiras que a nada perdoam, uma bea catedral que virou uma tenda para evangelistas maltrapilhos.

Afinal, foge desses e de outros perigos e vai para no imenso e organizado “inferno” do subsolo da cidade, precisamente zoneado: encontra dezenas de infernos, desde o claustrofóbico inferno dos arquitetos até o sistemático inferno dos militares, passando por jornalistas, economistas, sindicalistas, taxistas, grileiros, e outras categorias infernais.

À semelhança da Divina Comédia, percorre o mais completo dos infernos – o Inferno dos Políticos – guiado por um especial demônio (muito parecido com o Roriz, mas vestido como uma espécie de Elvis Presley).

Encontra Cristovams, Arrudas, Agnelos, Rollembergs, todos à volta com seus castigos e mazelas etarnas.

Mas também encontra Lucio Costa e Oscar Niemeyer, em situações especialíssimas – que inclui a perseguição implacável, num limbo labiríntico, por “zumbis do IPHAN”.

Depois de aventuras e desventuras, vai parar no claustrofóbico Inferno dos Arquitetos, onde vai terminar sua viagem – não fosse uma inesperada, apoteótica “ponte guapurivística” para o presente, semeada por evangelistas e ambientalistas. Haja viagem.

Sobre o autor

O autor do álbum em quadrinhos “O Último Astronauta Brasiliense” é FREDERICO FLÓSCULO, arquiteto e urbanista de 60 anos de idade, nascido no Ceará em 1958 e residente em Brasília desde 1982, para onde veio já graduado em arquitetura.

Trabalhou como arquiteto no Ministério da Educação, no Ministério da Saúde, na extinta Fundação Hospitalar do DF e desde 1992 é professor da FAUUnB.

Participa ativamente de determinadas lutas comunitárias, fazendo o que chama de “advocacia urbana” – especialmente desde o (in)famoso Concurso Nacional de Urbanismo para a Revitalização da Via W3, quando aprendeu o quanto sucessivos governos efetivamente buscam expoliar a bela e utópica Capital do Brasil.